27 de fevereiro de 2021

MPF denuncia ex-deputado Eduardo Cunha por improbidade

Na imagem, ex-deputado Eduardo Cunha

Na imagem, ex-deputado Eduardo Cunha

Antonio Cruz/ Agência Brasil

O MPF (Ministério Público Federal) denunciou, na última sexta-feira (6), os ex-deputados federais Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Lyra Alves por improbidade administrativa.

Os ex-parlamentares são processados pela força-tarefa do MPF, a Greenfield, com base em provas obtidas na operação Sépsis, que revelou desvio de recursos do Fundo de Investimentos no FGTS.

Leia mais: Ex-deputado federal Eduardo Cunha troca a prisão preventiva por domiciliar

Os procuradores apontam enriquecimento ilícito e atos que atentaram contra a administração pública. Se condenado, Cunha deverá devolver R$ 20 milhões e Henrique Alves, R$ 5 milhões.

De acordo com a Greenfield, os ilícitos ocorreram entre 2011 e 2015 e consistiam basicamente em negociações, mediante propina, para liberar investimento de recursos pelo FGTS em empresas.

Mais: Áudios mostram como Eduardo Cunha agia para defender interesses de Joesley Batista

As investigações apontam que, à época dos fatos, Cunha e Alves gozavam de poder para indicar nomes para diversos cargos de entidades vinculadas ao Poder Executivo federal e o utilizavam para cometer crimes e desviar dinheiro público. Os procuradores afirmam que Cunha recebeu propina para atender interesses de terceiros e conseguir aprovação de uso de recursos do fundo de investimentos do FGTS.

A ação de improbidade aponta que o recebimento da propina foi disfarçado repetidas vezes por meio de depósitos em contas bancárias no Uruguai e na Suíça, conforme orientação de Eduardo Cunha – o que configura lavagem de dinheiro.

Leia também: Justiça do Rio cassa aposentadoria estadual de Eduardo Cunha

Os procuradores afirmam ainda que “o grupo criminoso operou esquema ilícito na Caixa Econômica Federal até pelo menos dezembro de 2015, sob o comando e a coordenação de Eduardo Consentino Cunha”. Sustentam que “não há como deixar de concluir que as condutas perpetradas pelos demandados, narradas na presente ação civil de improbidade administrativa, causaram lesão à probidade, devendo, portanto, Eduardo Cunha e Henrique Alves ser responsabilizados por atos de improbidade administrativa”.

A reportagem busca contato com os acusados. O espaço está aberto para manifestação.

You may have missed

11993455895
× Atendimento via WhatsApp